top of page

Axiomas do Investmento: Semana 04 | Jan 21-27, 2024

Atualizado: 29 de jan.

NO RELATÓRIO

Destaque e Resumo MacroEco


Destaques MacroEco

Timing dos pivôs do Banco do Japão (BOJ) e do Banco Central Europeu (BCE); o estímulo do Banco Popular da China (PBOC)

Na noite da última segunda-feira no hemisfério ocidental (manhã de terça-feira no Japão), o BOJ manteve sua taxa de curto prazo em -0,1% e a meta para o rendimento do título do governo japonês (JGB) de 10 anos em 0,0% com limite superior de 1,0%. Curiosamente, o presidente do BOJ Mr. Ueda, fez alguns comentários surpreendentes que sugeriram que eles estão se preparando para acabar com o controle da curva de juros (YCC) e as taxas negativas mais cedo ou mais tarde. Atualmente, é difícil precisar em quanto tempo eles agirão, mas as expectativas de nossa pesquisa e da pesquisa de nossos parceiros sugerem julho mais do que abril. Do lado positivo, Ueda deixou claro que o BOJ manterá a política de acomodação mesmo depois de se afastar de seu quadro atual.


Na China, o PBOC surpreendeu o mercado com cortes no “Reserve Required Ratio (RRR)”, que vemos como o primeiro passo para apoiar uma economia enfraquecida. Em seus comentários, o governador Pan Gongsheng deixou claro que este era apenas o começo, ao expor os objetivos de preços do PBOC, os desafios da economia e o espaço do banco central para outras medidas.


A pesquisa de nossos parceiros mostrou que a demanda fraca em 2023, juntamente com uma recuperação na oferta, contribuiu mais para o ambiente desinflacionário chinês. A implicação na política monetária disso é muito clara: o PBOC precisa, e terá, de aliviar ainda mais.


Na Europa, o BCE deixou inalterada a taxa da deposito permanente (“deposit facility rate”) em 4.00% e as principais taxas de refinanciamento (“main refinancing rate”) em 4.50%, enquanto prepara o terreno para reduções. As duas declarações que o BCE publicou na quinta-feira foram um tanto dovish. Isto sugere que o Conselho do BCE está a preparar o terreno para uma redução das taxas de juro. No entanto, a presidente Christine Lagarde se recusou a discutir quando o corte pode ocorrer, sugerindo que não será tão cedo. Participantes do mercado acreditam que os “hawks” conseguirão adiar os cortes até junho, principalmente por motivos de gestão de risco (a economia não está entrando em colapso e cortando muito cedo e ter que subir novamente mais tarde seria prejudicial).


Embora as expectativas de que a inflação surpreenderá para o lado negativo possam criar o impulso necessário para um corte mais cedo, as pesquisas preliminares do PMI de janeiro, que sugerem fraqueza econômica, mas não um colapso, juntamente com pressões inflacionárias percebidas que têm sido mais difíceis de controlar do que o esperado, não estão ajudando a defender cortes nas taxas de juros no curto prazo. O BCE pode concluir que esperar até Junho é a coisa certa e prudente a fazer.


Boas notícias para o Federal Reserve (Fed) dos EUA

Nos EUA, os dados de crescimento, gastos e inflação do quarto trimestre retrataram uma economia "Cachinhos Dourados” (em inglês Goldilocks) que o Fed quer ver. No entanto, dados até meados de janeiro mostram que as demissões aumentaram acentuadamente. Com o processo de desinflação bem encaminhado e os riscos mais equilibrados, a direção da decisão do Fed em março é atualmente um lance de cara e coroa, literalmente.


Uma impressão robusta do PIB dos EUA alimentou o otimismo de pouso suave, e o núcleo da inflação ficou abaixo da meta de 2% do Fed, mas dados de pesquisa mais fracos podem indicar revisões para baixo do crescimento. Aqui estão alguns insights importantes de várias fontes[1] para a semana 04, que terminou em 27 de janeiro de 2024:


  1. Dados recentes de pedidos de auxílio-desemprego podem estar pintando um quadro otimista do mercado de trabalho, já que as taxas de elegibilidade e os índices de cobertura de renda pintam um quadro menos otimista.

    1. Os anúncios de demissões aumentaram acentuadamente nas últimas semanas. Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego ajustados sazonalmente voltaram à média de 2019 e os pedidos recorrentes retomaram a escalada. Indicadores do Fed da Filadélfia mostram o enfraquecimento do mercado de trabalho em quase metade dos estados americanos nos últimos três meses.

  2. A Renda e Gastos Pessoais registrou ganhos robustos em dezembro, enquanto o núcleo da inflação, medido a partir das despesas de consumo pessoal, permaneceu no caminho da meta de 2,0% do Fed.

  3. O crescimento do PIB do 4º trimestre surpreendeu até mesmo a estimativa mais otimista, subindo a uma taxa anualizada de +3,3%, e aumentou o otimismo para um pouso suave. O núcleo da inflação, a partir de dados do PIB, veio bem na meta de 2% do Fed.

    1. Os estoques e a melhora da balança comercial impulsionaram a surpresa positiva, mas ambos tendem a ser voláteis e não devem contribuir para o crescimento no 1º trimestre.  Os gastos pessoais continuaram sendo a principal fonte de crescimento do PIB, com dados mensais indicando que os gastos aceleraram ao longo do trimestre até uma explosão durante as festas de fim de ano, presumivelmente de seus cartões de crédito. Vamos acompanhar esse ponto de perto para ver se essa tendência continua em um caminho mais responsável fiscalmente ou se os gastos incontroláveis trarão a inflação de volta com vingança.

  4. Com as taxas de juros de longo prazo fora do pico, o Setor de Habitação está dando sinais de vida, com as vendas de casas novas e pendentes aumentando em dezembro.

  5. A maior história econômica da semana foram os dados de Despesas de Consumo Pessoal (PCE), métrica de inflação preferida do Fed, que veio em linha com as expectativas com ganho de +0,2% em dezembro contra -0,1% no mês anterior. Na comparação anual, o PCE também ficou em linha em +2,6% - estável em relação ao mês anterior e no menor nível desde fevereiro de 2021, quando a inflação estava caminhando para cima. Os holofotes geralmente estão voltados para os dados do Core PCE, que subiram +0,2% em dezembro contra +0,1% em novembro. Em relação ao ano anterior, o núcleo do PCE aumentou +2,9%, sua primeira impressão abaixo de +3% desde março de 2021. Os dados Core referem-se à exclusão de custos potencialmente voláteis de alimentos e energia.

    1. Mesmo com a renda e os gastos pessoais registrando ganhos robustos em dezembro, o impulso inflacionário está diminuindo. O ritmo anualizado de três meses do núcleo da inflação caiu para 1,5%, e o ritmo anualizado de seis meses permaneceu em 1,9% - ambos abaixo da meta de inflação média de 2% do Fed.

    2. O cenário está preparado para que o Fed tome medidas para cortar os juros nos próximos meses.


[1] Como uma empresa independente, reunimos várias fontes de informação e análise para criar um mosaico de capital intelectual de investimento; mais informações em nossas notas finais.


Resumo Completo MacroEco por Região e Modelo Econômico


20240127_Destaques Axiomas W04_por vFINALdist
.pdf
Fazer download de PDF • 277KB


 



5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page