top of page

Axiomas do Investimento: Semana 07 | Fev 11-17, 2024

Atualizado: 19 de fev.

CONTEÚDO

Destaques e Relatório MacroEco

Destaques MacroEco

Esse tipo de revisão periódica é difícil porque começo a me lembrar de um milhão de coisas que devem ser contabilizadas e reconhecidas quando penso sobre o macro/mercado global. O universo de opções e oportunidades é vasto, e a interconexão de suas partes é complexa. No entanto, contamos com a simplicidade da Matriz de Crescimento e Inflação para focar nos dados que podem impactar a aceleração e desaceleração da atividade econômica e da inflação.


Estados Unidos

Na semana passada, soubemos que as pressões inflacionárias ao consumidor dos EUA (janeiro: +3,1% a/a vs. +2,9% a/a) podem estar um pouco mais enraizadas do que se imaginava, portanto, a trajetória de juros mais baixos ficou um pouco menos íngreme. Além disso, a pausa na queda dos preços ao produtor pode ser um sinal precoce de que as pressões inflacionárias estão se acumulando dentro da cadeia de suprimentos, sendo que a turbulência geopolítica também não está ajudando.


O Fed deixou claro que precisa de mais dados que apoiem uma desaceleração sustentável da inflação, mas isso não será fácil. Com os dados do CPI e do PPI de janeiro em mãos, a Bloomberg Economics estima que o núcleo do deflator do PCE - o indicador de inflação preferido do Fed - virá em um ritmo muito quente de +0,4% (vs. +0,2% antes). Enquanto isso, as expectativas preliminares de inflação de um ano à frente da pesquisa da Universidade de Michigan aumentaram em fevereiro, enquanto notícias favoráveis sobre o mercado de trabalho sustentaram o sentimento do consumidor.


Entre os pequenos negócios a percepção é um pouco diferente; o índice NFIB de otimismo dos pequenos negócios caiu mais do que o esperado em janeiro, para a leitura mais baixa desde maio de 2023. Os planos de criação de empregos ainda estão desacelerando, eventualmente a renda e a demanda seguirão.


Agora é importante lembrar que sentimento e emoções são diferentes de atitudes. Apesar do clima frio e da ressaca das festividades de Natal, a retração das vendas no varejo dos EUA em janeiro foi ampla, já que os custos mais altos dos empréstimos afetaram os consumidores. Em contraste, as condições de negócios de janeiro medidas pelo NY e pelo Fed mostraram dados sugerindo que o setor está se estabilizando em um nível de atividade mais fraca; palavra de cautela, esses índices têm sido sujeitos a grandes oscilações mensais. A produção industrial em janeiro diminuiu, uma vez que as temperaturas frias, fora do padrão sazonal, contribuíram para o declínio da atividade de fabricação e mineração de bens não duráveis, que foi compensada principalmente por um aumento na produção de serviços públicos. Com os estoques caindo mais rápido do que os novos pedidos, há uma chance de que a queda na produção seja apenas temporária.


Dentro da habitação e construção, as revisões em alta dos dados de dezembro e um janeiro frio, fora do padrão sazonal, ajudam a explicar o declínio dramático na construção residencial iniciado em janeiro. Embora as taxas de hipoteca tenham se estabilizado - e até começado a subir novamente em fevereiro - as construtoras estão cada vez mais otimistas e relatam um tráfego crescente de compradores (o índice NAHB subiu em fevereiro para o maior desde 2023). Além disso, com as taxas de hipoteca ainda elevadas fazendo com que os proprietários existentes hesitassem em listar suas casas, as licenças de construção  para casas unifamiliares continuaram aumentando - algo que provavelmente apoiará a atividade de construção nos próximos meses. Teremos uma perspectiva melhor para o setor assim que surgir uma imagem mais clara da trajetória de juros do Fed; por enquanto, há algumas evidências de que o declínio na atividade é temporário rumo à primavera.


Por fim, acreditamos que, enquanto o mercado de trabalho estiver forte, a inflação não diminuirá muito mais e uma recessão não acontecerá, como tal, temos prestado muita atenção aos pedidos semanais iniciais e recorrentes de seguro-desemprego, caindo -8k para 212k e +30k para 1.895k, respectivamente. Com um número crescente de CEOs esperando reduzir sua força de trabalho, os pedidos podem subir mais nas próximas semanas.


Reino Unido

No Reino Unido, a principal conclusão dos dados do mercado de trabalho de janeiro é que as pressões salariais estão diminuindo, mas provavelmente não tão rapidamente quanto o Banco da Inglaterra gostaria. Dito isso, qualquer surpresa positiva nos ganhos salariais do setor privado tornará a leitura desconfortável no banco central e pode  fazer com ele se torne mais cauteloso sobre a flexibilização da política.


Além disso, a desaceleração inesperada do CPI de janeiro (+4% a/a vs. +4,1% a/a) foi um alívio para o BOE depois que dados do mercado de trabalho mostraram um crescimento salarial acima do esperado. Espera-se que uma trajetória descendente da inflação seja retomada em fevereiro, com uma queda abaixo de 2% provavelmente na primavera.


Um corte de juros em maio continua em jogo, no entanto, as chances de que um corte seja adiado para junho aumentaram, apesar de o PIB preliminar do 4º trimestre sugerir uma recessão técnica (dois trimestres consecutivos de crescimento negativo do PIB) no segundo semestre de 2023. Embora a economia do Reino Unido esteja estagnada desde meados de 2022, com o pior da inflação (e taxas mais altas) para trás, há algumas coisas indicando que as perspectivas para 2024 são mais brilhantes - algo que o Banco da Inglaterra também tem tentado enfatizar recentemente. Ainda assim, a queda maior do que o esperado e as conversas sobre recessão pode, na margem, aumentar a pressão para cortar os juros mais cedo ou mais tarde, especialmente com uma eleição geral no horizonte. Por fim, as vendas no varejo se recuperaram em janeiro, após despencarem em dezembro, mas a mensagem ainda é de que os gastos do consumidor estão sentindo as taxas dos juros mais altos.


Japão

No Japão, a contração surpresa no PIB preliminar do 4º trimestre também sugere recessão técnica e coloca fortes dúvidas sobre se o Banco do Japão seguirá com a mudança da atual política monetária de controle da curva de juros e taxas negativas. O consumo privado e o investimento — os dois principais motores do crescimento interno — caíram. A queda do PIB teria sido maior se não fosse por um aumento incomum nas taxas de royalties elevando as exportações de serviços para compensar parte da fraqueza em outras áreas. Em notícias separadas, os pedidos preliminares de máquinas-ferramenta para janeiro caíram -12,8% m/m e -14,1% a/a devido à menor demanda interna e externa. Tudo aponta para a continuação da acomodação da política monetária; Dito isso, o índice PPI subiu pelo segundo mês consecutivo em janeiro e não está mais caindo. A partir de agora, o argumento base para mudanças na política monetária em torno de julho está se formando.


Índia

Na Índia, o Reserve Bank of India (RBI) não mudará sua postura hawkish, mesmo com  a inflação ao consumidor caindo pelo segundo mês consecutivo em janeiro (nota a parte: os preços ao produtor aumentaram pela terceira semana consecutiva). O motivo – uma diferença recorde de juros baixos entre o RBI e o Federal Reserve significa que o banco central da Índia só começará a aliviar depois que o Fed começar. O consenso para um corte de juros do Fed agora é adiado para maio, com o Fed, e esperamos que o RBI mantenha sua posição hawkish até lá. O déficit da balança comercial continuou a melhorar à medida que o impulso industrial do governo se consolidou, apresentando uma alternativa às importações.


Outras regiões e países

Com o PIB do 4º trimestre basicamente inalterado em 0,0%, a economia da zona do euro evitou uma recessão técnica, porém a economia do bloco de 20 países estagnou no final do ano passado. Um relatório separado pintou um quadro mais otimista do setor manufatureiro em dificuldades. Teremos novas informações sobre o estado do setor manufatureiro durante esta semana. Em notícias separadas, a confiança do ZEW de fevereiro ainda tende a subir; a pesquisa de expectativas do ZEW da Alemanha  ajudou.


Na França, a taxa de desemprego do 4º trimestre permaneceu inalterada em 7,5% pelo segundo mês e o IPC final de janeiro permaneceu inalterado em relação à leitura preliminar em +3,4% a/a. O superávit da balança comercial da Alemanha e da Itália aumentou em dezembro.


No Brasil, enquanto dados semanais do FIPE e do IPC-S continuam subindo, o IGP-10 de Fevereiro ainda mostra que a inflação está desacelerando.


MacroEco Complete Report


20240217_Axiomas MacroEco W07_por vFINALdist
.pdf
Fazer download de PDF • 2.20MB

 

11 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page