top of page

Notas Macro/Mercado Global: Semana 12 | Mar 19-25, 2023

Atualizado: 29 de jan.

Totalidade dos Dados

A Semana #12 está aqui e com ela as nossas Notas Macro/Mercado Global. Só para ser claro, nestas notas tentamos dar sentido aos movimentos e dinâmicas dos mercados financeiros de curto prazo no contexto de dados concretos, fatos e razões para nos ajudar a Navegar o Macro/Mercados Global.


Na semana passada, a turbulência no setor bancário ocupou o centro das atenções, à medida que os títulos causaram oscilações neuróticas nos mercados financeiros. Preocupações surgiram após as falências do Silicon Valley Bank (SVB) e do Signature Bank, se espalhando também para o First Republic Bank e o Credit Suisse, de que o setor bancário global estava à beira de um colapso completo. Mas ações rápidas de agentes públicos, juntamente com uma queda acentuada nos rendimentos de diversos títulos, foram suficientes para ajudar na recuperação dos preços das ações e na valorização das carteiras de investimento diversificadas no encerramento da semana.


Sem duvidas, a ansiedade no mercado ainda existe, e devemos esperar por volatilidade, principalmente no setor bancário nos próximos dias. Mas não há evidências de que esse seja um problema de risco sistêmico.


Esta semana o foco esta nas decisões dos bancos centrais. As decisões do Federal Reserve, do Banco da Inglaterra, do Banco Nacional Suíço, da China sobre o Loan Prime Rates e do Banco Central do Brasil estão no radar. Dados recentes, sinalizam uma chance real de estarmos passando por um ponto de inflexão na política monetária global.


No Perspectivas e Tendencias desta semana, oferecemos nossa opinião sobre o que pode ser de fato a decisão mais importante do FOMC dos últimos tempos.


Deixe seus comentários, tire suas dúvidas e compartilhe conosco sua opinião.


Best Regards, LeoC.

 

Perspectivas e Tendências

Na terça-feira, 7 de março, Jerome Powell, o presidente do Fed, iniciou seu depoimento de dois dias perante o Congresso dos EUA. Em seu primeiro dia, ele disse ao Comitê de Assuntos Bancários, Habitacionais e Urbanos do Senado dos EUA que seus colegas e ele estavam "preparados para aumentar o ritmo dos aumentos das taxas de juros, se a totalidade dos dados indicasse que um aperto mais rápido era justificado".


Nessa altura, o intervalo entre os rendimentos a 2 e a 10 anos do Tesouro Americano aumentou para 104 pontos base, marcando a mais profunda inversão desde 1981; os mercados acionários globais diminuíram; e a probabilidade de um aumento de 50 bps na taxa de juros americana em 22 de março, medida pelo mercado futuro, disparou para mais de 60%.


Na quarta-feira, 8 de março, ele fez a mesma coisa perante o Comitê de Serviços Financeiros da Câmara dos EUA; a probabilidade de um aumento de 50 bps aumentou para mais de 74%, mas depois ele foi um pouco mais cuidadoso ao qualificar sua declaração, dizendo que "nenhuma decisão foi tomada sobre isso ainda". Então não precisa dizer que, na manhã de 10 de março, nada disso importava mais.


Desde então dois grandes pontos de dados econômicos, o IPC dos EUA e a Taxa de Desemprego, apoiam decisões conflitantes de aumento da taxa de juro; o colapso do Silicon Valley Bank, Signature Bank, e problemas com o Credit Suisse; e pânico generalizado no sector bancário, tinha empurrado os rendimentos de 2 anos para baixo mais de 100bps para 3,84%, trazendo o probabilidade de um aumento de 25 bps dos fundos do Fed para menos de 40%, apenas para se estabelecer em 60% na último Sexta-feira – 17 de março, 2023.

Quantidade de aumento de 0.25% esperado

Então, o que a "totalidade de dados" está sugerindo agora?

Na superfície, a turbulência do setor bancário poderia desencadear uma pausa no aumento dos juros pelo Fed, pelo menos é o que Goldman Sachs e Barclays, entre outros, pensam. No entanto, depois que o BCE avançou com outro aumento de 50bps na semana passada, e dados fundamentais ainda apontando para pressões inflacionárias, acreditamos que o FOMC aumentará a taxa de juros do Fed em 25bps em 22 de março de 2023 para uma faixa de 4,75% a 5,00%.

 

Performance dos Mercados Financeiros

Começamos a segunda-feira com o #mondaygrind, onde analisamos o que aconteceu e está acontecendo no #globalmacromarkets. Para ser claro, nosso objetivo é tentar decifrar a "mensagem", se houver, que os mercados financeiros estão enviando através de seus movimentos e dinâmicas de curto prazo. Como sempre, começamos com moedas e juros, devido ao tamanho, perfil de liquidez e importância fundamental desses mercados. Em seguida, investigamos o prêmio de risco por meio de crédito, ações e commodities, pois oferecem insights importantes para ajudar a entender as condições econômicas globais e expectativas do mercado financeiro.


FX | Rates |Credit

O #USDuptrend, que está se recuperando desde o início de fevereiro, agora está sendo posta à prova novamente. Desta vez, forças conflitantes estão em jogo. Por um lado, temos uma fuga para a segurança da atual turbulência do setor financeiro que empurra a cesta de dólares para cima; mas, por outro, temos um possível ponto de inflexão no caminho das taxas de juros dos EUA. Esta semana saberemos o que o Fed e o BOE farão. Na semana passada, o BCE elevou as taxas como originalmente esperado em 50bps, o que ajudou a firmar o euro.


Desde o tom hawkish, estabelecido pelo presidente do Fed, JPowell, durante o relatório semestral ao Congresso, os mercados estão em turbulência. A totalidade dos dados aponta para um Fed que poderia ser mais dovish; no entanto, com pressões inflacionáriaspersistentes, parece que o prudente é aumentar as taxas em 25bps.


O Banco Central Europeu (BCE) disse que elevou sua taxa de depósito em meio ponto percentual, para 3,0%, como parte de seu esforço contínuo para conter a inflação elevada. O BCE reiterou que as decisões futuras dependeriam dos dados, mas não deu orientações futuras. Também disse que está monitorando de perto as atuais tensões de mercado e que "o setor bancário da área do euro é resiliente, com fortes posições de capital e liquidez".


As notícias divulgadas na quarta-feira de que o gigante bancário europeu Credit Suisse (CS) também estava enfrentando problemas fizeram com que os mercados caíssem acentuadamente novamente, embora muitos observadores tenham apontado que os problemas do banco suíço não eram novos e de natureza diferente dos problemas nos bancos dos EUA.


As projeções do banco central colocam a inflação média em 5,3% em 2023 e em 2,1% em 2025, enquanto a previsão de crescimento este ano foi revisada para cima para 1,0%, refletindo os preços mais baixos da energia e a resiliência da economia em meio aos desafios enfrentados até agora. As estimativas da equipe apontam o crescimento econômico em 1,6% em 2024 e 2025. O BCE advertiu que as suas previsões estavam sujeitas a uma maior incerteza do que o habitual, uma vez que foram elaboradas antes de 1 de março e não incorporaram os últimos desenvolvimentos.


Os investidores agora esperam que as taxas dos Fed Funds terminem o ano em baixa.

As esperanças de que o Fed também possa ajustar sua política monetária em resposta aos eventos pareciam impulsionar um rali na terça-feira. As preocupações de que os formuladores de políticas reacelerariam o ritmo de aumentos de juros de 25 pontos-base para 50 pontos-base de repente pareciam fora da mesa. No final da semana, os mercados futuros estavam precificando com probabilidade zero de um aumento de 50 pontos-base, em comparação com uma chance maior que 60% de um na semana anterior, de acordo com a Bloomberg. Os mercados também estavam colocando uma chance de cerca de 39% de o Fed manter as taxas estáveis em sua próxima reunião em 21 e 22 de março e uma probabilidade de quase 99% de que a taxa alvo dos fundos federais terminasse o ano abaixo de sua faixa atual de 4,50% a 4,75%.


Rendimentos soberanos em queda

Menores expectativas de crescimento e maior aversão ao risco levaram a uma queda acentuada nos rendimentos do Tesouro de longo prazo. As taxas UST 2yr caíram ~ 75,0bps para terminar a semana em 3,84% e as taxas UST 10yr caíram 27,0bps para fechar em 3. 43%. O spread entre os títulos do Tesouro dos EUA de 10 e 2 anos diminuiu 48,3 bps para terminar a semana em -0,41%.

Como a crescente aversão ao risco levou os investidores a buscar ativos percebidos como mais seguros, o rendimento do título do governo japonês de 10 anos caiu para 0. 29%, de 0,4a 1% no final da semana anterior.


O stress do sector bancário transbordou para os mercados de crédito

Os spreads de crédito com grau de investimento aumentaram para um máximo de quatro meses, enquanto as obrigações de duração mais curta e as obrigações emitidas por bancos regionais registaram algumas das maiores flutuações. Nenhum novo acordo chegou ao mercado durante a semana, já que a volatilidade afastou potenciais emissores. O mercado de alto rendimento também foi principalmente silencioso.


Equities | Alternatives

As ações globais recuaram -0,08% na semana, com DM e EM caindo -0,05% e 0,39%, respectivamente.


Nos EUA, os principais índices fecharam mistos para a semana, refletindo a turbulência no setor bancário, preocupações de que uma desaceleração mais acentuada da economia se seguiria e esperanças de que o Federal Reserve agora seja forçado a moderar ou mesmo pausar em seu ciclo de alta de juros.


Dentro do Índice S&P 500, os retornos do setor variaram significativamente, já que as ações de serviços de comunicação e tecnologia registraram fortes ganhos, enquanto as ações financeiras e de energia sofreram perdas significativas. O S&P500 ganhou +1,4%, o Nasdaq Composite acrescentou +4,41%, o Dow Jones Industrial caiu -0,15% e a pequena capitalização Russell 2000 recuou 2,6%. O CBOE Volatility Index (VIX), também conhecido como o "medidor de medo", recuou de um pico acima de 30, para terminar a semana em 25,51.


As preocupações de que o fracasso do Silicon Valley Bank (SVB) desencadearia uma onda de novos colapsos diminuíram no fim de semana, com o Fed, a Federal Deposit Insurance Corporation (FDIC) e o Departamento do Tesouro anunciando no domingo, 12 de março, que todos os depositantes do SVB teriam acesso total aos fundos na manhã de segunda-feira. Além disso, o Fed disponibilizou financiamento adicional aos bancos para salvaguardar os depósitos e preparou-se para enfrentar quaisquer potenciais pressões de liquidez e anunciou que estava lançando uma revisão interna de sua supervisão e regulamentação do SVB.


As ações europeias caíram com temores provocados por tensões no sistema financeiro. Em termos de moeda local, o índice europeu STOXX Europe 600 encerrou a semana em queda de -3,85%, o índice CAC 40 da França caiu 4,09%, o índice DAX da Alemanha caiu 4,28% e o índice FTSE MIB da Itália cedeu 6,55%. O índice FTSE 100 do Reino Unido perdeu 5,33%, sua maior queda semanal desde o início de junho de 2020.


Dentro do Índice STOXX Europe 600, o setor bancário foi o que mais diminuiu, refletindo preocupações de que os desafios do Credit Suisse possam criar risco de contraparte no sistema financeiro. As ações da gigante financeira com sede na Suíça, que no outono passado havia revelado um ambicioso plano de reestruturação, foram vendidas depois que o presidente do Saudi National Bank anunciou que não investiria mais capital na empresa.


Esse desenvolvimento ocorreu após o Credit Suisse adiar a divulgação de seu relatório anual devido à "fraqueza material" em seus controles de relatórios financeiros. A notícia de que o Banco Nacional Suíço havia se oferecido para fornecer liquidez ao Credit Suisse e que a empresa havia procurado se fortalecer "preventivamente" emprestando mais de US$ 50 bilhões do Banco Nacional Suíço deu um impulso às ações na quinta-feira. No entanto, a especulação da mídia continuou de que mais ações eventualmente poderiam ser necessárias.


Na Ásia, apesar do impacto direto limitado no sistema financeiro do Japão da turbulência no setor bancário global, a queda no sentimento dos investidores ajudou a enviar as ações japonesas para uma queda acentuada, com o Nikkei caindo 2,88% na semana e o índice TOPIX mais amplo caindo 3,55%. As perdas foram, até certo ponto, amortecidas pela especulação de que os principais bancos centrais, à luz dos desenvolvimentos da semana e das preocupações com a fraqueza mais ampla da economia global, poderiam adotar uma abordagem menos agressiva ao aperto da política monetária.


Entre os mercados emergentes, as ações chinesas encerraram uma semana volátil em uma nota mista, com os problemas bancários globais compensando o otimismo sobre uma recuperação econômica e mais apoio monetário de Pequim. O Índice da Bolsa de Xangai acrescentou 0,63%, e o índice blue-chip CSI 300 caiu 0,21% em termos de moeda local. Em Hong Kong, o índice de referência Hang Seng Index acrescentou 1%.


O Bovespa brasileiro encerrou com 1,58% de perda, a 101.981,53 pontos. A semana #12 será importante para avaliar o quão independente o banco central é dado uma recente campanha do atual presidente para reduzir as taxas de juros.


Nosso #bzcCMDmonitor mostraram que as commodities estão em declínio junto com a retórica de taxas mais altas do Fed. O BCOM agregado fechou a semana com perda de 1,87%, ouro subiu 6,48, petróleo (WTI) caiu -12,96%, metais industriais caíram 1,36% e agro subiram 0,18%.



 







8 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Commentaires


bottom of page