top of page

Notas Macro/Mercado Global: Semana 33 | Ago 14-20, 2022

Atualizado: 29 de jan.


NO RELATÓRIO

Insights, Perspectivas e Tendências

Cético; o diabo está nos detalhes...


Visão Geral do Macro/Mercado

FX | Juros | Crédito

Ações | Alternativos

Cético; o diabo está nos detalhes...

A semana #33 está aqui e com ela, mais uma edição das Notas Globais de Macro/Mercado. Como você sabe, aqui tentamos entender os movimentos dos mercados financeiros de curto prazo no contexto de dados rígidos, fatos e razões para nos ajudar a Navegar o Macro/Mercado Global.


Na semana passada, investidores dos EUA celebraram dados de inflação melhor do que o esperado e que deram os primeiros passos na direção certa; o indice CPI de julho desacelerou para 8,5% em um ano contra uma expectativa de 8,7% e 9,1% no mês de junho. Eu não gosto de ter de repetir que nós (com uma imensa ajuda de nossos parceiros de pesquisa), tínhamos sugerido desaceleração da inflação há algum tempo. Felizmente, nós carimbamos com data nossos comentários e opiniões para evitar o viés de #profetadopassado típico que permeia a indústria financeira. Dito isso, continuamos céticos sobre o comportamento atual do mercado e ainda acreditamos que este seja um #bearmarketrally e um #bulltrap.

No Insights, Perspectivas e Tendências dessa semana aprofundamos um pouco mais o que gostaríamos de ver para mudarmos de ideia. Leia e deixe-nos saber se você pensa diferente ou tem alguma dúvida, comentários, opiniões... esses são sempre bem-vindos, pois eu realmente acredito que investir é um "esporte coletivo".

Best Regards, LeoC.

 

Insights, Perspectivas e Tendências

Na semana passada, mesmo se quisesse, você não ia conseguir ignorar o barulho sobre a inflação se transformar em deflação. Meios de comunicação e turistas do mercado financeiro gritavam a palavra deflação com vontade, não só aqui nos EUA, mas também no Brasil e na China, mas na Europa não.


Como temos dito desde o início do verão, as pressões inflacionárias começaram a se mover na direção certa, mas não vamos confundir a desinflação, que diz respeito a uma desaceleração da inflação, com a deflação, que é uma redução GERAL nos níveis de preços, causado principalmente por uma mudança na oferta e na demanda.

Mas por que estou sendo tão técnico? Por que estou arriscando ser chamado de “chato” por algumas pessoas?


Resposta simples. Por causa da palavra-chave - GERAL. Como diz o ditado, "o diabo está nos detalhes... ". Assim, vamos olhar os detalhes.


#clickbait da semana = DEFLAÇÃO

Figura 1: CPI dos EUA para julho de 2022

Para recapitular: a inflação do consumidor até junho mostrou que o preço da energia passou por uma alta de 42% em um ano, dos quais 7,5% no mês de junho, empurrando o índice do CPI para um aumento de 9,1% em relação ao ano anterior (YoY). Para manter a informação completa, também identificamos que a energia não era o único problema; o preço dos alimentos e de todos os outros itens, que incluem o preço dos serviços, também têm aumentado significativamente. Avançamos um mês e na semana passada, o US Bureau of Labor Statistics informou que a inflação ao consumidor dos EUA em julho caiu para 8,5% no período anual contra uma expectativa de 8,7% para o mesmo período (figura 1).


É até desnecessário dizer que o USD (BBDXY) caiu 1,1% durante a semana, com a expectativa de que o Fed não terá que continuar elevando as taxas de juros agressivamente (figura 2). Os mercados acionários dos EUA celebraram a notícia e subiram na semana; o Índice S&P500 (SPX) saltou 3,8%, o Índice Composto NASDAQ (CCMP) subiu 4,4% e o Índice Russel 2000 (RTY) subiu 5,4%, desde que o relatório foi divulgado na manhã de quarta-feira, 10 de agosto.

Figura 2: Número de aumentos de 0,25% esperados para 22/09 FOMC

Na superfície, parece que tudo está uma maravilha. Não só nos EUA, mas também em outros países como o Brasil, onde a inflação ao consumidor também desacelerou em julho. Os canais de mídia social, e de certa forma na mídia tradicional também, foram rápidos em usar a DEFLAÇÃO como #clickbait. Para constar, os principais países europeus ainda não experimentaram desaceleração nas pressões inflacionárias.

Figura 3: DM Govt mudança semanal bps

Vítimas do “clickbait”, geralmente o leitor de manchetes ocasionais ou um turista de mercado, não teria notado que, de fato, as taxas de juros continuaram a subir ao longo da semana; embora, menos nos EUA e Japão, porém mais entre os principais países europeus. O 2yrUST subiu 1,65bps para 3,24% e o 10yUST recuou 0,44bps para 2,83%. Os países do núcleo europeu França e Alemanha terminaram a semana com rendimento soberano de 2yr acima de 10bps e rendimentos de 10yr em torno de 5bps (figura 3). Mais importante, não só os juros do núcleo de DM aumentaram, mas os #10_2USTspread, apesar de recuar dos -0,50% no meio da semana, continuou a cair na semana para terminar a sexta-feira em -0,4213%, níveis que não vemos desde o início dos anos 2000.

O que isso tudo sugere?

Para mim, a desaceleração econômica global ainda está no horizonte. Talvez, ganhamos uma batalha, mas estamos longe de ganhar a guerra [da inflação].


Agora, deixe-me dizer-lhe por que nós não ganhamos a guerra ainda ...


Era principalmente energia

Figura 4: Futuros de petróleo $/barril (WTI e Brent)

Não se deixe enganar pelo “clickbait” de deflação. Lembre-se que as eleições de meio de mandato dos EUA estão chegando e a divulgação de uma inflação de 0% ao longo de um mês é uma pílula muito mais fácil de engolir do que 8,5% de inflação ao longo de um ano.


Além do mais, com os preços do petróleo caindo perto de 30% desde o início de junho (figura 4), uma queda da inflação ao consumidor impulsionada pela queda do preço da energia era praticamente inevitável, uma vez que os itens de energia representam cerca de 8% do peso no índice. Como tal, a desaceleração do US CPI para julho é explicada principalmente pelo colapso dos preços do petróleo (figura 5).

Figura 5: Contribuintes para a mudança no índice de manchetes do CPI dos EUA

Sim, a inflação “core”, que remove os itens voláteis de alimentos e energia, foi "melhor do que o esperado", mas ainda inalterada desde de junho em 5,90% YoY. Com os preços dos serviços excluindo energia, que representa cerca de 58,2% do índice do IPC aumentando e moradia nao dando folga (uma sub-categoria com um peso de 32,8% do índice CPI),não há razão para pensar que os membros do Fed farão um #fedpivot ou introduzirão qualquer tipo de flexibilização quantitativa (QE) para salvar o mercado se as coisas começarem a desandar. Dito isso, com base no posicionamento dos participantes do mercado futuro de fed funds, o Fed não chegará nem perto de implementar sua própria orientação sobre juros; esses participantes estão atualmente esperando que as taxas no final de 2023 estejam em 3,22% contra a orientação do Fed de 3,75% (figura 6).

Figura 6: FOMC Dot Plot em 15/06/22, próximo 21/09/22; preços a partir de 15/08/22

O que eu gostaria de ver para começar a mudar de ideia?

Figura 7: Crédito ao consumidor dos EUA

Em primeiro lugar, a informação que estou prestes a compartilhar não é estática. Em outras palavras, hoje esses são os itens mais relevantes que acredito que ajudarão a determinar a direção das condições econômicas; amanhã poderão ser outros devido à dinâmica do ambiente de mercado atual.


Com isso fora do caminho, estou acompanhando de perto os dados sobre as condições do mercado imobiliário (atividade como licenças, construção, vendas de casas novas/existentes, taxas de hipotecas e aplicações), uma divergência preocupante no relatório de emprego dos EUA entre a pesquisa domiciliar (pessoas que dizem ter ou não ter emprego) e a pesquisa de estabelecimento (empresas divulgando número de pessoas em sua folha de pagamento),e o spread para vários vencimentos na curva de rendimento do Tesouro dos EUA. Também acreditamos que os consumidores estão em um caminho que pode ser desastroso se a economia desandar, o desemprego aumentar e a inflação não desaparecer. É simplesmente insustentável que o crédito aumente aproximadamente 1,0% ao mês (figura 7).


Por fim, estamos de olho nos preços das commodities. Desde meados de julho, o índice agregado BCOM vem aumentando com a ajuda do setor de energia e metais industriais (figura 8).

Figura 8: Índices de Commodities BBG
 

Visão Geral de Macro/Mercados

A semana #33 está chegando e estamos de volta ao #mondaygrind olhando o que aconteceu e o que está acontecendo em #globalmacromarkets. Para os "new kids on the block", nosso objetivo é simplesmente tentar entender a "mensagem", se houver, que os mercados financeiros estão enviando através de seus movimentos e dinâmicas de curto prazo. Vamos começar...


FX | Juros | Crédito

Figure 9: BBDXY index

Do nosso #bzcFXmonitor, o Índice do Dólar dos EUA (BBDXY) fechou em baixa de 1,1% e agora sobe 7,4% no ano. Tecnicamente, o 1.260 representa um suporte de curto prazo para o #USDuptrend que começou por volta de meados do verão de 2021 e ganhou força até o início de abril de 2022. O suporte foi brevemente testado após a surpresa do US CPI, mas foi recuperado ao fechamento de sexta-feira (figura 9).


Olhando para os pares FX:

  • O Euro aumentou 0,75% em relação ao USD para fechar a semana em EURUSD 1,0259. O #EURdowntrend ainda está intacto; estamos olhando em torno do nível de 1,0146 para uma demonstração imediata de força; traçamos uma linha na areia em torno de um fechamento de vários dias em ou acima de 1,0363 para uma possível mudança de tendência.

  • A Libra Esterlina ganhou 0,54% a 1,2138 GBPUSD e continua #GBPdowntrend. GBPUSD 1.20 é uma linha suave de prazo imediato na areia.

  • O dólar canadense fechou a semana em alta de 1,17%, a USDCAD 1,2782. O #CADneutraltrend ainda está em jogo com uma amplitude entre USDCAD 1,31 e 1,28.

  • O iene japonês estendeu-se para uma terceira semana de um movimento contra #JPYdowntrend com um ganho de 1,19% na semana. Ainda assim, o JPY permanece em uma baixa de várias décadas. A última vez que o JPY foi tão fraco foi em novembro de 1998. Espera-se que a tendência atual continue se o Banco do Japão (BoJ) mantiver sua política monetária ultra-frouxa, apoiar a ainda frágil recuperação econômica do país e continuar a divergir das políticas de aperto de outros grandes bancos centrais.

  • O renminbi chinês terminou a semana praticamente inalterado em USDCNY 6,7428 e permanece em uma #CNYdowntrend desde a primeira etapa do intervalo em abril de 2022.

  • O Real brasileiro subiu 1,76% na semana para terminar em USDBRL 5,0745. Ultimamente, o #BRLdowntrend tem sido desafiado por dados de inflação melhores do que o esperado e um aumento da taxa do Banco Central que levou a taxa básica para 13,75%. Estamos acompanhando uma possível mudança para um #BRLuptrend uma vez que a moeda fecha abaixo de USDBRL 5,1026 por vários dias.

  • O Bitcoin saltou 5,46% para terminar o fechamento na sexta-feira em 24.241 XBTUSD. O Ethereum terminou a semana em XETUSD 1.933.

Em nosso #bzcFImonitor a surpresa positiva na inflação ao consumidor dos EUA pouco fez para sustentar um declínio nos juros do UST. Imediatamente após a divulgação do relatório na quarta-feira, as expectativas para o número de aumentos de 0,25% dos fundos do Fed diminuíram de 2,78x para 2,3X. No entanto, as autoridades do Fed reiteraram que o Banco Central ainda tinha trabalho a fazer para domar a inflação; Mary Daly, presidente do Federal Reserve Bank de São Francisco, disse à Bloomberg Television que o mais recente os dados de inflação, embora uma melhora, ainda são altos e não devem ser interpretados como "vitória. Enquanto isso, o presidente do Fed de Chicago, Charles Evans, comentou em um evento organizado pela Drake University, em Iowa, que o banco central pode precisar aumentar as taxas para até 4% até o final de 2023.

Figure 10: #10_2USTspread

O rendimento do UST de 2, 5, 10 e 30 anos aumentou para terminar a semana em 3,24%, 2,96%, 2,83% e 3,11%, respectivamente. O #10-2USTspread recuou mais 1,8bps para terminar a semana em -0,4213%, o spread mais negativo desde o início dos anos 2000. A narrativa de que a inflação pode ter atingido o pico alimentou um aperto nos spreads de crédito de títulos IG.


Os principais rendimentos dos títulos públicos da zona do euro terminaram a semana em alta, com o rendimento do Reino Unido seguindo a liderança dos mercados centrais europeus. No Japão, os rendimentos do JGB foram principalmente inalterados - a curva de rendimento é negativa até os termos de 5 anos.


Ações | Alternativos

Para o #bzcEQmonitor, o índice de empresas de grande capitalização S&P 500 avançou, mas não ganhou tanto terreno quanto os índices de capitalização média e pequena (+4,4% para o índice S&P400 e +4,9% para o Índice Russell 2000). Liderados por ações de energia, todos os setores do S&P 500 avançaram.

As principais ações europeias subiram menos do que suas contrapartes americanas, mas ainda assim terminaram a semana mais altas à medida que as preocupações com novos aumentos nas taxas diminuíram. O agregado STOXX 600 ganhou 1,2%; os principais índices dos países da Europa também avançaram: o CAC 40 da França subiu 1,3%, o DAX da Alemanha ganhou 1,6%, o FTSE MIB da Itália adicionou 1,7% e o FTSE 100 do Reino Unido aumentou 0,82%.


Na Ásia, as bolsas japonesas e australianas também subiram, com o Índice Nikkei 225 e o índice TOPIX ganhando 1,3%, e com o AS30 aumentando 0,5%. O apetite de risco dos investidores foi apoiado pela surpresa positiva dos dados de inflação dos EUA, o que domou as expectativas de que o Fed continuaria elevando as taxas de juros agressivamente. Os mercados acionários chineses encerraram a semana em uma nota mista, com novos casos de coronavírus atrapalhando as notícias de um superávit comercial recorde em julho. O Índice Composto de Xangai e Shenzhen aumentou 1,5% e 1,90%, respectivamente.

Nosso #bzcCMDmonitor apresentou saltos significativos nas commodities agregadas. Energia, metais industriais e commodities agrícolas subiram durante a semana. O WTI e o Brent negociaram 3,4% mais altos e terminaram a semana em US$ 92,09 e 98,15, respectivamente. O ouro aumentou 1,5%, para US$ 1.802.

 

17 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page